[Livro] “Forrest Gump” de Winston Groom

IMG1001AAssim que peguei neste livro, os meus amigos que me viram com ele pelos cantos automaticamente me diziam: “Run, Forrest. Run.” Isto numa clara alusão ao filme, aquele com o mesmo nome que tantas vezes passou nas tardes de cinema da SIC (salvo erro)… Curiosamente, acho que nunca o vi na íntegra e esse foi um dos factores que me fez tirar o livro da estante mais depressa.

Forrest Gump é um idiota, um tolo (palavras dele). Aliás, o livro, narrado na primeira pessoa, começa assim: “Deixem-me dizer-lhes uma coisa: ser um idiota não é nenhuma caixa de bombons.” E como idiota que é, o bom senso de Forrest não é o seu forte. Por isso, não é de admirar que diga coisas em público (e quando digo em público é à frente de milhares de pessoas) como “Tenho de fazer xixi”. Aliás, esta sim é, para mim, a frase mais marcante de Forrest Gump.

A ironia deste livro é que mesmo sem fazer grande coisa por isso, e mesmo sendo um idiot savant, Forrest Gump passa por uma série de felizes acasos que nem sempre terminam felizes também. Ele foi um grande jogador de futebol americano, resolvia equações na perfeição, era um exímio jogador de xadrez, foi um herói de guerra, foi astronauta, tocou numa banda, montou um negócio de camarões muito bem sucedido. Mas onde é que isso o levou?! Bem, para o saberem vão ter que ler o livro! O que vos posso dizer é que é um bom livro para ler neste momento que o nosso país atravessa, talvez para percebermos que as coisas más não acontecem só aos outros… mas as boas também não!

“Posso ser um idiota, mas a maior parte do tempo, de qualquer maneira, tentei fazer o que estava certo – e os sonhos são só sonhos, não são? […] Eu posso olhar para trás e dizer que, pelo menos, não tive uma vida chata.”

Classificação:
3/5

Anúncios